Safari fotográfico ao PN de Monfrague (Veados, Lontras e Águias)

De 5 a 8 de Outubro (4 dias/3 noites)

Saímos de Lisboa dia 04 ao final da tarde e chegámos ao Parque Nacional de Monfrague pela meia-noite e meia.

A viagem correu bem e, sem nos enganarmos no caminho.

Quando chegámos à aldeia e finalmente encontrámos a casa onde íamos ficar (finalmente porque a aldeia tinha umas 12 casas, por isso foi difícil) o Paulo Anjo (nosso guia e companheiro de safari) já estava à nossa espera.

A casa estava toda por nossa conta; era uma engraçada casa rural com 4 quartos.

Instalámo-nos e ficámos à conversa com o Paulo, até à chegada do outro grupo que vinha de Lisboa. Lá por volta das 2 horas da manhã (em Espanha já eram 3) chegaram: o Pedro, a Ana e a Susana. Descobri hoje que a Susana é amiga do Nuno Antunes.

No outro dia levantámo-nos por volta das 9 e depois do maravilhoso pequeno-almoço em que podíamos escolher entre tostadas e café com leche, ou café com leche e tostadas, lá vamos nós à procura de abutres para o penhasco.

As paisagens eram para lá de maravilhosas. Depois de algumas fotos e um passeio higiénico pela beira do rio Tajo (em Espanha é assim que se chama) ganhámos apetite para o almoço e lá fomos nós almoçar…

Depois de almoço e já com mais elementos que se juntaram ao grupo, fomos para a primeira caminhada através da serra, na esperança de fotografias maravilhosos no cimo de monte, não sem antes travarmos conhecimento com uma pequenina víbora de mau feitio (documentada em foto).

     

Após um longo caminho, tortuoso, em subida e com muita transpiração, chegámos à torre do castelo onde instalámos o equipamento fotográfico: máquina, tripé, polarizador, velocidade  e outras coisas com nomes estranhos… Claro que a minha automática está sempre pronta a disparar!!! Os abutres passavam e repassavam e lá íamos tentando apanhá-los no melhor ângulo. Foi uma tarde bem divertida no cimo da torre, rindo e conversando, esperando e disparando…fotos. Claro. O pôr-do-sol quando chegou foi apanhado pelos objectivas dos fotógrafos e, sorte dele, que ficou imortalizado.

O jantar correu bem e as variedades andavam à volta do veado, coelho, porco e vaca, por isso comemos ou estufado de veado, ou lombo de veado ou veado de fricassé J (agora já estou a inventar).  

Deitámo-nos cedo que no outro dia tínhamos de nos levantar também  bem cedo para ir ver lontras numas lagoas a cerca de 40Kms dali.

E fomos…, só que lontras não vimos.  

…mas vimos teias e aranhas e pássaros vários a voarem sobre as águas da lagoa.  

Alguns pescadores e uma luz na água inesquecível; uns verdes brilhantes; uns castanhos fantásticos.

E um rebanho de ovelhas que não queria passar a ponte, até que finalmente uma lá deu o primeiro passo e as outras correram a segui-la.

Engraçado foi passar na ponte depois das ovelhas: eram só caganitas. Conclusão: borraram-se de medo até ganharem coragem para passar…

De volta à aldeia, almoçámos e descansámos até às 17, hora da visita aos veados.

    

Mas os animais eram esquivos e havia muitos carros na estrada. Entre graçolas e chalaças passámos uma tarde bem divertida no encalço dos ditos. Mais penhacos, o ninho da cegonha preta que foi a banhos para os trópicos, tudo era bonito demais…

Regressámos e, como o restaurante estava fechado jantámos à luz das estrelas junto à casa. Foi um fantástico picnic nocturno.

Depois cama, que no dia seguinte era preciso madrugar e assim com o nascer do sol no horizonte…partimos no encalço de mais veados. Fomos vendo algumas fêmeas com as suas crias e, finalmente e, quase de regresso, vimos um macho, passeando com a família.

Tomámos o pequeno-almoço e lá fomos para a última caminhada: 12 km’s e mais ou menos 2 horas de sobe-desce, montes, pontes de madeira embutidas em rocha, regatos e escarpas. A paisagem deslumbrante, de cortar a respiração.

Almoçámos e regressámos. Ao entrar em Portugal por Marvão foi a cereja, que não cristalizada, em cima do bolo!!!!

Foram 3 dias maravilhosos; de pessoas, de paisagens, de bem-estar.

ADOREI!!!!                                                                                                                              

Isabel Pereira