Safari fotográfico às Penhas Douradas

"Raposas na neve"

De 14 a 16 de Dezembro (3 dias)

Sexta-feira, 14 de Dezembro

Chegámos à Casa das Penhas Douradas por volta das 21 horas.

Já tínhamos jantado por isso aproveitámos para conhecer ou rever as pessoas com quem íamos passar o fim-de-semana.

Ainda tentámos ver as raposas no pátio da pousada já que é frequente elas irem lá comer. Tentativa frustrada, elas não apareceram.

Sábado, 15 de Dezembro

Levantámo-nos bem cedinho e demos uma volta pelas redondezas na esperança de ver as raposas que por lá habitam. Mais uma vez, a tentativa foi infrutífera, as raposas não apareceram.

Voltámos para a pousada onde tomámos um excelente pequeno-almoço: vários tipos de pão e doce (laranja, pêssego, abóbora com nozes e canela e morango), leite, café, iogurte, cereais, queijo… … …

De seguida, pusemos pés a caminho, serra abaixo, até Manteigas (cerca de 7Km). A paisagem era linda, mas raposas? Não vimos.

 

Almoçámos em Manteigas. Voltámos à pousada de carro para darmos mais um passeio ao final da tarde e tentarmos ver as raposas. Caminhámos, caminhámos, esperámos, esperámos, caminhámos mais um pouco e, estávamos prestes a desistir porque já anoitecia quando, finalmente, passou por nós uma raposa. Ficámos tão surpreendidos e o momento foi tão fugaz que nem tempo tivemos de tirar fotografias.

 É claro que, de regresso à pousada, as pessoas que optaram por um banho na piscina interior (sim, a pousada tinha uma piscina interior) não acreditaram que tivéssemos, finalmente, visto uma raposa.

Às 20h00 foi servida uma flûte de champagne junto à lareira a que se seguiu um jantar gourmet. O jantar foi-nos servido primeiro a nós e depois às raposas para que todos as conseguíssemos ver.

Estava frio e a espera foi longa, mas a raposa apareceu e foi atentamente observada e fotografada por onze pessoas. Missão cumprida, podíamos ir para a caminha e dormir descansadamente já que a alvorada, no dia seguinte, será bem cedo. Os planos eram ver o nascer do sol.

  

Domingo, 16 de Dezembro

De pé às 7h00 (às 7h?, bem, não foi exactamente às 7h, foi um bocadinho mais tarde) para ver o nascer do sol.

Saímos para ver a lagoa e demos mais uma volta para tentar ver esquilos (as raposas estavam vistas, agora eram os esquilos). Treze pessoas a tentar ver esquilos? E silêncio? Pois é, esquilos não vimos, mas conversámos muito.

Voltámos para mais um pequeno-almoço fenomenal no calor da Casa das Penhas Douradas.

Tivemos de voltar bem cedo, de um fim-de-semana maravilhoso, para mais uma semana de trabalho.

Rute Martins